Impostômetro

7 de junho de 2013

A influência da lua e agricultura orgânica

Ana Elisa Feliconio, especialmente para o Sítio do Moinho
Conhecer a influência da lua sobre as marés sempre foi importante para a tradição dos povos que vivem da pesca e da coleta de frutos do mar. Todavia, este saber popular só recebeu o reconhecimento das instituições científicas a partir do século XVIII, quando Newton formulou a Lei da Gravitação Universal (DIAZ, 2005).
Outro fenômeno que também é fruto da história oral dos povos (transmitida de geração em geração) é o da influência da lua sobre todos os seres vivos: das plantas, passando pelos animais até o ser humano. Na espécie humana, por exemplo, os médicos fazem a previsão do nascimento dos bebês contando 40 luas desde a concepção até o parto. Também para quem deseja acelerar o processo de crescimento dos cabelos, sabemos que a época ideal para cortá-los é na lua crescente.
Na produção de alimentos, a influência da lua sobre as plantas é conhecida pelos agricultores desde a antiguidade. É milenar o conhecimento que os chineses detêm, por exemplo, sobre o corte do bambu e madeira: a ser realizado entre lua minguante e a nova, quando o teor de seiva e umidade dentro dos troncos é menor.
De acordo com Fornari (2002), também é comum o conhecimento de que entre a lua minguante e a nova deve ser plantado tudo o que dá “abaixo do solo” (raízes, tubérculos, rizomas e bulbos comestíveis) e, que entre a lua crescente e a cheia, deve-se plantar tudo o que dá “acima do solo” (folhas, flores e frutos comestíveis).
Dentre as modalidades de agricultura ecológica, uma se diferencia por ir além dos cuidados com a lavoura, destacando a influência da posição da lua, do sol e dos planetas sobre a vitalidade dos solos e das plantas. Buscando compreender as forças da terra e do céu (cosmos) sobre os cultivos e a criação animal e harmonizá-las na produção de alimentos mais saudáveis, a Agricultura Biodinâmicasurgiu na Europa em 1924. Estas novas idéias foram apresentadas em uma série de palestras técnicas ministradas pelo filósofo austríaco Rudolf Steiner(1861- 1925) a grupos de agricultores. Posteriormente, esses conhecimentos foram difundidos em todo o mundo com o crescente interesse em sistemas agrícolas voltados para a preservação dos ambientes e recursos naturais. Segundo Darolt (2005), os elementos que distinguem a agricultura biodinâmica das outras correntes são: o uso de preparados biodinâmicos (compostos líquidos de alta diluição, elaborados a partir de substâncias minerais, vegetais e animais) para tratar o solo e as plantas e a utilização de um calendário astrológico especial, que indica os melhores momentos para a realização das práticas agrícolas. Dentre as técnicas recomendadas pela agricultura biodinâmica, as mais fortemente influenciadas pela energia que chega do céu são: as lavouras, as sementeiras e a dinamização e aplicação dos preparados biodinâmicos (Baptista;2001).
O calendário biodinâmico se diferencia de outros mais populares por não se restringir às fases da lua (nova, crescente, cheia, minguante), incluindo todos os signos do zodíaco em que os planetas transitam tomando a Terra como referencial. Também são considerados nos cálculos para a elaboração deste calendário os movimentos ascendentes e descendentes do Sol e da Lua (Baptista, 2001; Fornari, 2002).
Contudo, como alerta o agrônomo francês Xavier Florin: o calendário ajuda a pôr-nos novamente em contacto com o cosmos. Porém, não basta seguir as indicações nele contidas para promover esta ligação: um sistema agrícola convencional (onde a fertilização é química e se utilizam agrotóxicos e herbicidas) praticamente não reage à utilização do calendário (Baptista, 2001). Isso significa que o calendário lunar é um instrumento importante, mas que não deve ser utilizado de forma isolada do contexto da propriedade como um todo. Na agricultura biodinâmica, é importante lembrarmos que a propriedade é tratada como um organismo vivo, que para se manter saudável depende da harmonização permanente das práticas agrícolas com os ecossistemas locais (fauna, flora, solo e água) e também com as forças do céu. Na agricultura, assim como na natureza, tudo está interagindo mutuamente; uma coisa sempre atua sobre a outra(Steiner, 2000:168). Esta é uma idéia central na compreensão da agricultura biodinâmica e que Rudolf Steiner corajosamente enfatiza nas conferências de 1924.
Atualmente, porém, a idéia de interdependência entre todos os instrumentos e métodos utilizados na propriedade é comum entre as diversas correntes da agricultura orgânica. Conforme sintetiza Darolt (2005:01), o que une todas essas correntes é o compromisso de transformar as propriedades em um sistema de produção sustentável no tempo e no espaço, mediante o manejo e a proteção dos recursos naturais, sem a utilização de produtos químicos agressivos à saúde humana e ao meio ambiente, mantendo o incremento da fertilidade e a vida dos solos, a diversidade biológica e respeitando a integridade cultural dos agricultores. Desta forma, sem esquecermos dos princípios que regem a biodinâmica e as demais escolas de agricultura orgânica, podemos aproveitar muitas indicações do calendário biodinâmico. Este foi elaborado pela pesquisadora Maria Thun (ABD, 2005) e mostra os dias e horas certas para o plantio e o transplante de hortaliças, dividas em 04 tipos: de raízes, de folhas, de frutos e de flores comestíveis.
Vejamos, a seguir, algumas indicações, citadas por Fornari (2002: 188):
• Lua transitando em signos de Terra (Touro, Virgem e Capricórnio): bom para o plantio de hortaliças de raízes ou tubérculos. Exemplos de raízes: mandioca, rabanete, bardana, cenoura, beterraba, nabo. Tubérculos: inhame, batata-doce, cará, batata-inglesa.
• Lua transitando em signos de Ar (Gêmeos, Libra e Aquário): bom para o plantio de hortaliças de flores. Exemplos: brócolis, couve-flor, alcachofra.
• Lua transitando em signos de Água (Peixes, Câncer e Escorpião): bom para o plantio de hortaliças de folhas. Exemplos: couve, salsa, alface, chicória, agrião, acelga, coentro.
• Lua transitando em signos de Fogo (Leão, Áries e Sagitário): bom para o plantio de hortaliças de frutos e cereais. Exemplo: quiabo, tomate, pimentão, vagem, abóbora, feijão, aveia, linhaça.
• Lua crescente: bom para transplantar mudas.
• Lua em signos de Ar: bom para as podas.

Bibliografia citada
Baptista, Cristina N. Agricultura Biodinâmica: a arte de cuidar da terra. Revista Biosofia n.08, inverno 2000/2001.
Darolt, Moacir R. As principais correntes do movimento orgânico e suas particularidades. Site: www.planetaorganico.com.br ; 2005.
Diaz, Jaime. La influencia de la luna em la agricultura: la luna e os seres vivos. Site: www.eraecologica.org , 2005.
Fornari, Ernani. Manual Prático de Agroecologia. São Paulo: Aquariana, 2002.
Steiner, Rudolf. Fundamentos da Agricultura Biodinâmica: vida nova para a terra. São Paulo: Antroposófica, 2000.
Thun, Maria. Calendário Astronômico/Agrícola – 2005. Botucatu: Associação de Agricultura Biodinâmica (ABD), 2005.
Postar um comentário