Impostômetro

15 de janeiro de 2012

Recomendações gerais para cultivo de hortaliças orgânicas – Parte I


Para produção de hortaliças de boa qualidade, saudáveis, de forma diversificada, sem agrotóxicos e adubos químicos e, especialmente, sem colocar em risco a saúde do homem, do meio ambiente e das futuras gerações, deve-se seguir algumas recomendações. As recomendações específicas para o cultivo orgânico de batata, cebola, tomate, cenoura, alface, beterraba, repolho, couve-flor, couve, brócolis, batata-doce e planta medicinais estão em postagens mais antigas neste blog. Por isso, a seguir abordaremos as indicações gerais para o cultivo das diversas espécies de hortaliças.
Correção e preparo do solo
   A acidez do solo influi na fertilidade, tornando os nutrientes essenciais indisponíveis às plantas. Para correção aplica-se calcário, de acordo com a análise do solo; em geral, para terrenos ácidos utiliza-se cerca de 0,5 a 1 kg de calcário por m², com antecedência mínima de três meses da semeadura/plantio. Caso seja utilizado o composto orgânico, a acidez do solo é corrigida naturalmente, sem necessidade de calagem.
    A adubação orgânica melhora a fertilidade do solo e as propriedades físicas dos solos muito argilosos (barrentos) ou arenosos. Para terrenos de baixa ferrtilidade, com baixa percentagem de matéria orgânica (menos de 2%), determinada pela análise do solo, recomenda-se a aplicação, preferencialmente, de composto orgânico (3 a 4kg/m2) ou esterco curtido de aves ou de gado, na quantidade máxima de 2 e 5 kg/m² por ano, respectivamente.
    O resíduo orgânico e/ou restos de culturas, também pode se tornar um adubo de ótima qualidade através da compostagem (ver matéria mais antiga postada neste blog).
Para pequenas hortas recomenda-se após aplicação do calcário, quando necessário, e do adubo orgânico, fazer o revolvimento do solo com enxadão ou pá, na profundidade mínima de 20 cm, com posterior destorroamento com enxada.
Figura 1. Revolvimento do solo com pá
. Preparo do canteiro
  Para algumas espécies cultivadas em espaçamentos maiores, basta revolver e destorroar o solo. Em seguida, deve-se abrir as covas, sulcos ou ainda fazer camalhões ou leiras, adubar e plantar, conforme o sistema de cada cultura.
Algumas hortaliças necessitam de preparo especial do terreno para confecção de canteiros que podem servir como sementeira para posterior transplante de mudas e para semeadura direta/plantio.
    Após o revolvimento do solo, os canteiros são levantados e destorroados com enxada. Deve-se evitar preparar o canteiro quando o solo estiver muito seco ou muito úmido.
Para preparo adequado do canteiro recomenda-se:
. Fazer dois sulcos paralelos de 15 a 20cm de profundidade, com 30 a 40 cm de largura, e distanciados de 1 a 1,2m, utilizando-se cordões ou bambu para alinhamento;
. Com auxílio de ancinho (rastelo) faz-se o nivelamento da terra e retira-se os torrões menores, raízes, pedras e outros materiais;
. Com a pá curva faz-se o acabamento, limpando-se a passagem entre os canteiros.
   Os canteiros depois de prontos ficarão com cerca de 1m de largura, 15 a 20cm de altura e separados por 30 a 40 cm entre si, para facilitar a passagem das pessoas que cuidarão da horta. Entre cada série de canteiros deve-se deixar um caminho (1m) para passagem do carrinho de mão, usado para transporte de adubos, estercos e produtos colhidos. 

Em terrenos inclinados, os canteiros devem ficar atravessados em relação à declividade para evitar que as águas das chuvas os destruam.
Figura 2. Preparo de canteiro
Figura 3. Canteiro preparado para semeadura
   Sempre que possível recomenda-se canteiros fixos, feitos especialmente com tijolos ou pedras (maior durabilidade), madeira (Figura 4), bambú e com outros materiais, pois evita a erosão e facilita o preparo do mesmo para novos plantios.
Figura 4. Horta orgânica do CAPS – Centro de Atenção Psicossocial, em Urussanga, com canteiros construídos com madeira

. Época de semeadura/plantio
    De um modo geral, as hortaliças encontram as melhores condições de desenvolvimento e produção quando o clima é ameno (18 a 22ºC), com chuvas leves e frequentes.
     As temperaturas elevadas (mais de 30ºC), de um modo geral, encurtam o ciclo das plantas e aceleram a maturação; as baixas temperaturas (menos de 10ºC) retardam o crescimento, a frutificação, a maturação e favorecem o florescimento indesejável.
    O fotoperíodo (número de horas com luz natural por dia) e a temperatura influem na formação e no desenvolvimento de bulbos (cebola e alho) e de tubérculos (batata).
Obs.: na matéria sobre planejamento de uma horta orgânica (parte I) foi postada uma tabela com informações de épocas de semeadura ou plantio para as principais hortaliças. O livro "Cultive uma horta e um pomar orgânicos...", disponível para venda na Epagri/Estação Experimental de Urussanga, também possui estas e muitas outras informações importantes.
. Produção de mudas
   O transplante de mudas sadias e vigorosas garante a produção de hortaliças de boa qualidade. Algumas lojas agropecuárias dispõem de mudas de hortaliças, em bandejas de isopor. As diversas formas de produção de mudas são descritas a seguir.
Sementeira
É o local onde são semeadas as sementes de algumas hortaliças para obter-se as mudas a serem transplantadas.
Figura 5. Sementeira de cebola
Os cuidados mais importantes para produção de mudas em sementeira são:
Preparo cuidadoso do canteiro, incorporando com antecedência, esterco bem curtido e peneirado de aves e de gado, na quantidade de 2 ou 5 kg/m², respectivamente;
Fazer sulcos com 1 a 2cm de profundidade, distanciados de 10 cm, utilizando o sacho ou marcador de sulcos;
Semear o mais uniforme possível, cobrindo as sementes com terra. De maneira geral, deve-se enterrar a semente numa profundidade aproximadamente igual a cinco vezes o seu tamanho;
Cobrir a sementeira com saco de aniagem, capim seco ou tela de sombrite para evitar a formação de crosta superficial do solo devido à irrigação ou à ocorrência de chuvas torrenciais, retirando a proteção quando as sementes iniciarem a emergência;
Outra opção é a cobertura da sementeira com cerca de 1cm de espessura de casca de arroz ou serragem, após a semeadura. Neste caso, não há necessidade de se retirar a cobertura após a emergência;
. Em períodos sem chuvas, no verão, regar duas vezes ao dia (manhã e à tardinha) até à emergência, com regador de crivo fino para não enterrar demais as sementes;
A utilização de cobertura de plástico no inverno, associado ao sombrite no verão são indicados;
Eliminar as plantas espontâneas à medida que forem aparecendo;
Desbaste do excesso de plantas, deixando as mais vigorosas.
Figura 6. Tipos de cobertura da sementeira: sombrite, casca de arroz e serragem  (Foto:Valmir José Vizzotto)

                             Figura 7. Produção de mudas no verão com o uso de plástico e sombrite 
Caixas, copinhos, bandejas de isopor e outros recipientes
     Na produção de mudas para a horta pode ser utilizado diversos recipientes. A vantagem do uso de recipientes sobre a sementeira em canteiro é a facilidade de movimentação dos mesmos para locais protegidos, evitando-se o sol quente, chuvas torrenciais e o frio intenso.
A sementeira pode ser feita em caixas com 50 x 50cm de lado e 20 a 25cm de profundidade, fazendo-se alguns furos no fundo para escoamento do excesso de água.
Figura 8. Sementeira de alface em caixa
    A semeadura também pode ser feita, preferencialmente em copinhos de jornal (sem impressão colorida) ou de papel pardo, pois se degradam rapidamente e não oferecem riscos ao meio ambiente.
Confecção: corta-se uma folha de jornal em cinco tiras, no sentido horizontal da página, com cerca de 11,5 cm de largura cada uma; no caso de utilizar-se o papel pardo deve-se cortá-lo em tiras de 11,5 cm de largura por 38 cm de comprimento. Enrola-se as tiras em torno de um cano de PVC (50mm) com 7cm de comprimento. A extremidade do cilindro de papel é dobrada para dentro, de modo a formar o fundo do copinho. Finalmente, bate-se o fundo do cano de modo a comprimir as dobras do fundo do molde. Posteriormente, enche-se o cano com substrato e retira-se o mesmo para confecção de outros copinhos. Uma vez prontos, os copinhos apresentam as medidas de 7cm x 6cm e capacidade de aproximadamente 200cm3.
Figura 9. Material necessário para confecção dos copinhos de papel
 Figura 10. Confecção de copinho de jornal- início
 Figura 11. Confecção de copinho de jornal - final
Os copinhos plásticos, utilizados para refrigerantes e reutilizados na produção de mudas, fazendo-se alguns furos no fundo, é outra opção. No entanto, é importante ressaltar que o plástico leva muitos anos para se degradar, sendo por isso utilizado somente quando não houver outra alternativa.
Figura 12. Copinhos plásticos para refrigerantes reutilizados
   O sistema mais utilizado atualmente é o de bandeja de isopor, que manuseada com cuidado pode ser reutilizada várias vezes.
A vantagem da bandeja de isopor e dos copinhos sobre a sementeira em canteiro e em caixa, é que a muda não sofre nenhum dano ao ser transplantada.
  O substrato para encher os recipientes pode ser adquirido em lojas agropecuárias ou preparado em casa.
Preparo do substrato caseiro:
-3 partes de terra peneirada livre de plantas espontâneas;
-1 partes de cama de aviário curtida e peneirada;
-1 parte de areia fina de rio ou 2 partes de casca de arroz carbonizada.
Obs.: misturar bem as diferentes partes.
Figura 13. Enchimento da bandeja de isopor com substrato caseiro
Figura 14. Produção de mudas de hortaliças em bandejas de isopor
Postar um comentário